A ARTE DE TRANSFORMAR ADVERSIDADES EM OPORTUNIDADES - Clotilde Rodrigues

Entrevista dada à Revista Liderança no Feminino

Foi quando confrontada com problemas e dificuldades que Clotilde Rodrigues materializou a sua resiliência e capacidade de superação em soluções que contribuíram para o bem-estar da própria, mas não só. Munida de instrumentos que lhe foram entregues por sucessivas formações em life coaching e trajetória pessoal, tornou-se instrutora, tirando partido do melhor que as ferramentas digitais têm para oferecer. O futuro afigura-se risonho, com novos projetos no horizonte. A vontade de melhorar a vida dos que por ela passam é transversal a todos.

Transformar as adversidades em oportunidades. Este bem que podia ser o mote da carreira de Clotilde Rodrigues, criadora do programa do programa “Ganha Asas e Educa com Amor” e especialista em Life Coach e Eneacoach. Em 2012, quando confrontada com uma relação tumultuosa com a filha, então com 14 anos, questionou-se sobre o que poderia estar a falhar na comunicação entre as duas. Recorreu à opinião de professores, amigos da família e psicólogos, tudo o que estava ao seu alcance para “obter resultados” e, consequentemente, solucionar o problema. Foi neste contexto que descobriu e emergiu no “mundo do coaching, do desenvolvimento pessoal.”

Estava, sem saber, a dar início a uma viagem de descobrimento pessoal, marcada pela priorização do seu bem-estar próprio. “Eu andava tão cansada, tão esgotada, tão irritada, que a minha vida era toda focada no trabalho e na relação com a minha filha”, descreve. Clotilde Rodrigues não demorou muito a perceber que as mudanças operadas na sequência deste processo surtiram também efeito na relação com a filha, com alterações ao nível do diálogo, dos programas que faziam juntas e, sobretudo, no entendimento de parte a parte. Paralelamente, diversas formações em life coaching permitiram a Clotilde Rodrigues capacitar-se de ferramentas que lhe permitiram “ajudar outras mães e pais a percorrer” o mesmo caminho que ela própria percorrera, poupando-lhes, através da própria experiência e dos conhecimentos adquiridos, algum sofrimento. Na perseguição deste objetivo, leu, ouviu e fez novas descobertas, como foi o caso do eneagrama e o eneacoaching – “método em que se procede à transformação de uma pessoa, passando primeiro pela consciência de quem é, do que está errado, para o estado de desconstrução, depois para a consciência de quem quer ser e só depois para a elaboração de um plano para a transformação na pessoa que, na realidade, querem ser.”

Chegados a 2020, a pandemia do novo coronavírus catapultou o mundo para uma nova dimensão desconhecida, obrigando à adoção novos hábitos, face às regras de distanciamento social. A migração para o online foi um passo natural em muitos sectores, e o mundo do coaching não constitui uma exceção. Clotilde aproveitou, mais uma vez, a oportunidade para transformar o que seria uma conjuntura limitadora em algo positivo: através da uma formação para se tornar “instrutora online”, muniu-se dos instrumentos necessários para, finalmente, lançar o seu novo programa de coaching, conjugando anos de aprendizagem – pessoal e profissional.
Ciente do nível de exigência do mercado, Clotilde Rodrigues aposta num elemento diferenciador que distingue a sua abordagem ao coaching das demais: a experiência pessoal decorrente das vivências enquanto mãe. Esta é uma marca que está igualmente presente no workshop, composto por três sessões, desenvolvido pela coach com o objetivo de dar a conhecer ao público as principais temáticas do programa e, consequentemente, as mais-valias que dele poderão retirar. Ao longo dos últimos meses, Clotilde tem tirado partido das possibilidades oferecidas pelas plataformas online (neste caso, o Zoom), as quais lhe permitem “ver a expressão do rosto das pessoas”, assim como “o interesse delas através das perguntas que fazem”. O balanço é, por isso, francamente positivo – “foi um grande sucesso” – e com aprendizagens mútuas entre os intervenientes. Com os novos desafios introduzidos pela atual crise sanitária, Clotilde não duvida de que estamos perante uma “altura de total mudança”: “nos trabalhos, nas escolas, nos comportamentos”. No entanto, não associa ao atual momento uma conotação negativa. Pelo contrário, vê nele – surpreenda-se – uma oportunidade para a reflexão coletiva. “Penso que tudo isto tem levado a que as pessoas olhem para dentro, se conheçam melhor, vejam o que, na realidade, é mais importante para elas, para os filhos e para a família. Tendo como ponto de princípio esta mudança, 2021 será um ano de expansão para Clotilde, um ano em que vai “partilhar com os outros tudo” o que prendeu, quer através de muito estudo, quer através do trajeto pessoal. Fá-lo-á, confidenciou, através de um “novo programa”, “destinado a melhorar a comunicação e, consequentemente, a relação entre pais e filhos”. A justificação para avançar com o projeto é simples: “não podia deixar de o fazer”, resume. Será mais um estender de mãos aos principais agentes educativos, tendo por base a experiência enquanto mãe, mas também a que resultou de um contacto de oito anos com crianças entre os sete e os catorze anos num ATL. Apesar de ainda não ter nome, Clotilde deixa a promessa de que a apresentação “está para breve”.
Ainda assim, este não será a única novidade no ano novo que se avizinha para Clotilde Rodrigues. Focada em utilizar os seus conhecimentos para ajudar todos aqueles que com ela se cruzem, e, sendo natural do interior de Portugal e presidente de uma associação regional, tem em estudo um novo projeto, com o qual pretende levar, juntamente com outras colegas, o coaching ao Interior. Trata-se de um projeto que inclua modalidades como o yoga, a biodanza, o coaching parental, entre outros, e no qual está a depositar “muito amor”. O objetivo é alcançar “muitas pessoas” e, como sempre, contribuir para que “vivam mais felizes”.

Aqui está o link do meu artigo publicado na revista “Liderança no Feminino”

CLOTILDE RODRIGUES: A ARTE DE TRANSFORMAR ADVERSIDADES EM OPORTUNIDADES